O IES – Social Business School nasce do envolvimento de pessoas-chave em torno do tema do Empreendedorismo Social, que acreditaram que esta área de conhecimento e atuação devia ser estimulada em Portugal.

Foi no  Congresso de Empreendedorismo Social, em outubro de 2008, em Cascais, que se manifestou publicamente o interesse de criar esta organização, em parceria com a Câmara Municipal de Cascais e o INSEAD – Institut Européen d'Administration des Affaires.

Dois meses depois, a 19 de dezembro de 2008nascia o IES, com a missão de "Inspirar e Capacitar para um mundo melhor, através do Empreendedorismo Social".

Desde cedo, os seus fundadores perceberam que, para concretizar o movimento em Portugal era necessário, em primeiro lugar, descobrir iniciativas de Empreendedorismo Social, na altura também chamados de Manuais Vivos do movimento. Nasceu, então, a Metodologia de pesquisa ES+, com o propósito de identificar iniciativas com "Elevado Potencial de Empreendedorismo Social".

O valor da aplicação da metodologia reside na sua capacidade de identificar potencialidades, oportunidades, necessidades e desafios das iniciativas de Empreendedorismo Social, permitindo também caraterizar o ecossistema onde estão inseridas. O 1º projeto piloto ocorreu no concelho de Cascais e contou com o apoio do IEFP – Instituto de Emprego e Formação Profissional e a Câmara Municipal de Cascais. Em julho de 2009eram reconhecidos os primeiros 5 ES+ Cascais.

Em 2010, as áreas de atividade foram reorganizadas, afirmando o posicionamento do IES como um centro de investigação e formação em Empreendedorismo Socialcatalisador de boas práticas. Criou-se a área de Investigação & Desenvolvimento que englobou a aplicação da Metodologia ES+, assim como a gestão de conhecimento, a produção de relatórios, estudos e conteúdos de formação.

Depois da experiência bem sucedida em Cascais, o IES rumou a Vila Real, em 2010tendo a oportunidade de aplicar aí a Metodologia ES+. Contou com a parceria do Governo Civil de Vila Realda Fundação EDP e das Câmaras Municipais de Alijó, Boticas, Mondim de Basto, Montalegre. Murça, Ribeira de Pena e Sabrosa

Na área de Formação, onde estão abrangidos os programas para universitários e a formação para executivos, 2010 foi um ano forte para o posicionamento do IES. Foram lecionadas unidades curriculares na Nova School of Business and Economicscriado o módulo de Cidadania Profissional (Professional Citizenship) e lançado um Programa de Formação para Executivos com a Abreu Advogados

2011 foi um ano de crescimento e consolidação para o IES. A Metodologias ES+ foi aplicada ao Município do Portoe, pela primeira vez, foi também adaptada a um contexto nacional: o Programa Escolhas.

Pelo facto da Metodologia ES+ Metodologia ES+ ter ganho uma grande visibilidade e expressão, criou-se, em 2011, a área de Identificaçãoresponsável pela aplicação desta metodologia que, continuamente, alavanca conhecimento para Investigação e Formação. Na Formação, a oferta letiva aumentou e foram criados os primeiros programas IES powered by INSEAD

Muitos dos alumni dos programas solicitaram apoio para implementar iniciativas ou ultrapassar desafios, pelo que foi criado um programa de Acompanhamento às iniciativas e pessoas que estiveram presentes nos programas de formação.

Foi em 2012 que arrancou em Portugal o MIES – Mapa de Inovação e Empreendedorismo Socialprojeto de investigação e mapeamento de iniciativas, que visa contribuir para o crescimento e competitividade de um novo mercado de Inovação e Empreendedorismo Social nacional em Portugal. Financiado pelo QREN-Compete, Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação EDP, e em parceria com o IPAV – Instituto Padre António Vieira, o IAPMEI e o INSEAD como parceiro académico, o IES escalou a Metodologia ES+ a nível nacional NUTS II do Norte, Centro e Alentejo.

A nível de Investigação foi produzido o primeiro Estudo de Caso de Empreendedorismo Social, sobre os desafios de crescimento do projeto Escolinha de Rugby da Galiza. O ano de 2012 foi também um ano de grande afirmação para a área de Formação. Foram concretizados 4 Bootcamps, 1 ISEP e decorreu também o primeiro Programa Fundações XXIum Programa IES powered by INSEAD, desenhado de forma customizada para a Fundação EDP e Fundação Calouste Gulbenkian, com o objetivo de oferecer às equipas das fundações participantes o conhecimento sobre as dinâmicas de Inovação e Empreendedorismo Social.

Ainda em 2012o IES iniciou atividades em Moçambique, desenvolveu o programa ES+ Maputo, que assenta na identificação de iniciativas de Empreendedorismo Social e formação, numa parceria de 2 anos construída entre o IES, a Fundação Calouste Gulbenkian e a Odebrecht (Mecenas Premium dos Programas de Formação IES powered by INSEAD, em Moçambique).

2013 foi um ano de afirmação do Empreendedorismo Social em Portugal. Aumentou a oferta letiva nas Universidades e Politécnicos, diversas iniciativas da rede IES foram reconhecidas a nível internacional (e.g. Miguel Neiva tornou-se no primeiro Ashoka Fellow português); o Empreendedorismo Social foi incluído nas linhas de Financiamento Comunitário 14-20; assistiu-se a um crescente interesse de investidores-chave por esta área. A Formação cresceu em número de alunos formados pelos Programas IES powered by INSEAD, formando 266 alunos (face a 152 alunos, em 2012). Foi lançado o primeiro Bootcamp em Maputo, que contou com 32 participantes. A Investigação lançou o Manual para Transformar o Mundoem parceria com a Fundação Calouste Gulbenkian. Um sucesso que esgotou a primeira impressão nos primeiros 3 meses de vendas.

É em dezembro de 2014 que o IES se afirma como Social Business School. Ao longo deste ano alcançaram-se os 1000 alumni formados pelos programas IES-INSEAD, com um número record de Bootcamps realizados num ano (10) e com 10 novos alumni como formadores. Celebrou-se o arranque do programa Scaling For Impact, com 2 edições, num total de 60 alunos formados e 20 projetos participantes.

2013-11-09 10.04.55.jpg

Foi realizado o Lançamento oficial do Laboratório de Investimento Social, um projeto do IES e da Fundação Calouste Gulbenkian, em parceria com a Social Finance UKque consiste num centro de conhecimento de referência na área do investimento social, procurando difundir as melhores práticas internacionais e instrumentos financeiros inovadores, estudando a sua aplicabilidade à realidade portuguesa.

Foi também feito o lançamento do Grupo de Trabalho Social Investment Taskforce: catalysing a social investment market in Portugal que deverá, ao fim de um ano, desenhar recomendações políticas para a catalisação do setor do investimento social, em Portugal.

Ainda em 2014, apostou-se na criação do Laboratório de Negócios Sociais que conta com uma parceria exclusiva com o B Lab para trazer o movimento das B Corp para Portugal e África Lusófona.

O MIES aproxima-se da sua reta final e em Maputo, Moçambique foram identificados e apoiados 13 ES+ Maputo. Celebrou-se também o arranque do 1º Prémio INSEAD de Empreendedorismo Social.

Foi ainda concluído o Programa de Capacitação para os 17 Municípios da Área Metropolitana do Portoenglobando atividades como o planeamento estratégico, mapeamento de projetos de empreendedorismo e de inovação social, a capacitação técnica dos municípios e a implementação de projetos geradores de impacto social positivo no território que respondam às necessidades sociais identificadas.